Está pronto o orçamento para 2018?

Apesar de já ter escrito tempos atrás sobre orçamento, nunca é demais comentar sobre essa importante ferramenta de gestão, pois ela pode evitar muitos problemas financeiros (nossos e das empresas). É um tema que vem ao encontro de início de ano.

Orçamento é um plano que prevemos o quanto vamos receber e pagar, utilizando as bases de um fluxo de caixa. É um planejamento focado na parte financeira. Planejar é prever com antecedência ações a serem tomadas. E no caso do orçamento, é prever com antecedência o que e onde será gasto e recebido.

Quando identificamos que no mês que vem as contas a receber serão menores que as contas a pagar, temos tempo para pensar em estratégias para resolver tal problema, como: “Vou pedir empréstimo?”; “Vou pedir para algum cliente antecipar o pagamento?”; “Quais gastos vou cortar para mês que vem?”. “Quais fornecedores posso pedir prorrogação no prazo de pagamento?”, entre outros...

Quando prevemos o problema com antecedência, temos tempo hábil para estudar alternativas, e isso implica em pagar menos juros possível, no caso de falta de dinheiro. No caso de sobra de dinheiro, estudamos alternativas para remunera-los da melhor forma.

Quando agimos com pressa e ansiedade estamos sujeitos a pagar mais caro. E o orçamento financeiro nos prepara para não agir de forma demasiada.

O orçamento também favorece visualizarmos para onde e quanto que vai o dinheiro para cada tipo de gasto, pois provavelmente já deve ter acontecido contigo, de chegar próximo ao fim de mês e pensar:“... Poxa vida, recebi bem esse mês mas já gastei tudo, mas para onde foi o que recebi?”.

O orçamento no ambiente empresarial exige ter como base o que já aconteceu em períodos anteriores e prever o movimento do mercado que a empresa atua. Isso exige conhecimento do negócio, prudência para não superestimar ou subestimar valores e muita disciplina para acompanhar e controlar o resultado de previsto pelo realizado.

O orçamento torna-se muito mais importante quando não se tem recursos disponíveis e num cenário econômico não favorável. Num ambiente de recursos escassos, temos que estabelecer as prioridades no que gastamos, e o orçamento serve de apoio para estabelecer as preferências.

Saindo um pouco do ambiente de empresas, nós também devemos ter um orçamento financeiro pessoal e de família, se for o caso. Para tanto, é necessário saber o quanto gastamos, ou seja, é necessário ter um controle financeiro. (Em breve vou escrever mais sobre orçamento financeiro pessoal)

Na prática, o modelo de orçamento deve ter um campo de previsto (ou orçado) e outro de realizado. O previsto indica a previsão, os valores esperados para gasto ou receita. E o realizado é o que ocorreu. Além disso, é interessante comparar as diferenças (previsto e realizado), a fim de identificarmos onde estamos acertando ou errando.

Vou finalizando e espero que você esteja acompanhando seu orçamento. Caso não tenha, nunca é tarde para elaborar. Interessante é prever no mínimo 3 meses para frente os gastos e receitas. Aproveite o início de 2018 para fazer seus planos para o ano, inclusive o financeiro.

Tempos atrás escrevi um artigo sobre informações financeiras nas empresas, dá uma olhada clicando aqui

Até mais

Fabio Nepomoceno - Consultor de Finanças

Receba conteúdos exclusivos e com prioridade