Importância da liquidez em tempos de Covid

Diante do cenário econômico desfavorável causado pela pandemia, tem se questionado sobre a estratégia econômica e financeira para enfrentar esse período árduo, onde alguns negócios sentiram mais efeitos do que outros.

 

Muitos setores estão com reduções drásticas de faturamento e se veem como praticamente obrigados a reduzir suas margens de lucro para manter a operação, prejudicando a rentabilidade do negócio. É necessário se desfazer de estoques e realizar promoções para poder gerar caixa, podendo aumentar a liquidez da empresa.

 

Liquidez indica a capacidade de gerar caixa que a empresa possui para honrar seus compromissos. Já rentabilidade indica a que taxa que o patrimônio da empresa está sendo remunerado de acordo com o lucro vigente, dependendo diretamente da margem de lucro líquido.

 

A medida que a empresa tem a sua estrutura de custos fixos estável e o faturamento venha enfrentando redução, e ainda se a empresa não consegue retornar ao nível de vendas desejado, uma das estratégias é adequação da estrutura à nova realidade. Outra alternativa é reduzir margens para poder operar com lucro menor, e talvez lucro nulo, tendo importância maior nesse momento a margem de contribuição. Ou seja, vender por menos, podendo ganhar menos, mas para manter a estrutura da empresa.

 

Essa percepção nos parece natural nesse momento econômico, visto que os negócios devem buscar sua sobrevivência. Porém ainda alguns empreendedores resistem à uma nova realidade que os cerca. É sabido que uma vez que é adotado estratégia de redução de preços, por consequência o lucro, mesmo sendo em ação promocional, retornar aos patamares anteriores é um desafio. Ainda mais se a comunicação ao mercado não for de forma eficaz.

 

Ao mesmo tempo, escolher essa estratégia pode representar um custo financeiro menor do que tomar recurso com bancos. Muitas vezes concedendo desconto à clientes pode representar vantagem financeira, em comparação com algumas operações de crédito disponíveis no mercado.

 

Não se pode estabelecer um padrão de escolha para as empresas, devendo ser analisado caso a caso. Tem empresas que detém capital de giro próprio, sem dificuldades de caixa, já outras com muitos problemas de manter as contas em dia.

 

Uma das missões do administrador financeiro é de buscar a perpetuidade do negócio, mesmo que nesse caso tenha que operar com margem menor, mas podendo cumprir seus compromissos. E nesse momento o que sobresai é uma organização ter liquidez, caixa, capacidade de honrar seus compromissos. A lucratividade e rentabilidade virão num segundo momento, e até chegar esse momento as empresas terão que ser manter, cuidando muito bem de seu caixa.

 

Fabio Nepomoceno - Consultor de Finanças - F12 Consultoria

Receba conteúdos exclusivos e com prioridade